quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Comendo lesma num restaurante da China

Como a sociedade vê a filosofia de Polícia Comunitária?

CARTEIRA DE IDOSO

          Marituba - Contos e causos.
                          por André Costa Nunes
– André, tu não achas que é uma tremenda sacanagem essa invenção de carteira de idoso? Perguntou de chofre o Marapanim.
Pronto, pensei, acabou a minha esperança de sossego no fim de um dia estressante. Tudo o que eu queria era tirar a roupa e mergulhar no igarapé que nasce em frente à minha casa aqui no Uriboca, em Marituba. Quem resolve morar em sítio tem a doce ilusão de que vai viver contemplativo. Criando, plantando, ouvindo, lendo, escrevendo. Hedonista. Ledo engano. As pessoas pensam que somos meros zeladores de clube campestre, ou, como diz o Getulinho Bohadana, puta de salão. Tem que estar sempre arrumada, sorridente e solícita quando o freguês chega. De preferência logo perguntando se aceita uma bebida.

– Porra, Marapanim, retruquei, de mau humor, não enche o saco, o que é que tu tens contra a bendita carteira de idoso? Isso é democrático, cidadania, acho até que vou tirar a minha. Deixar de pagar passagem de ônibus, entrada em cinema, teatro e uma porrada de vantagens.

– Não é favor nenhum, está tudo previsto em lei, retrucou.

O Marapanim, para quem não sabe, junto com o professor Jônathas e o Maracajá, moram aqui por perto e, depois da morte do Adamastor são os mais assíduos frequentadores do papo regado à cachaça da beira do igarapé. Os dois primeiros são radicais militantes da esquerda etílica. O Maracajá é apenas curupira, aliás, o único curupira caçador que conheço.

– Ih meu cacete, não estou entendendo onde queres chegar, tu mesmo dizes que a carteira do idoso está prevista em lei…

– Égua, cara, embotaste a cuca, ou melhor, embostaste. O que está previsto em lei é o direito do idoso. Carteira, não. A carteira do idoso, constitucional, universal é a carteira de identidade, que tem idade, filiação, fotografia, impressão digital e o escambau. Qualquer outra é abusiva, humilhante, e com certeza alguém está ganhando dinheiro com isso.

– Lá vem tu com essa mania de ver conspiração e corrupção em tudo. Esse teu esquerdismo exacerbado está ficando chato. E além do mais ouvi dizer que a tal carteira é de graça. Argumentei por argumentar, mas senti o golpe. Começava a fazer sentido a tese do porra-louca-da-esquerda-etílica, mas deixei rolar. Ele que argumentasse.

Ainda não estava de todo relaxado. Tomei um trago da cachaça do Maracajá e, ali mesmo comecei a tirar sapato, meia e suspensório, para o tão ansiado mergulho.

– Para começar, a quem interessa maldita carteira? Ao idoso? Ele já não tem a de identidade? Imagina a vergonha, a humilhação que é mandar saltar um velho no pleno uso de seu direito porque não tem a carteira que homens inventaram só de prepotência e ganância. Continuou.

– Não deve ser só por isso. E como vai passar na catraca eletrônica? Interrompi. – É a modernidade, cara, alguma hora teria que chegar por aqui.

– Já se vê que faz tempo que não andas de ônibus. Idoso não passa em catraca. Entra pela frente e salta pela frente. Se a entrada é por trás, a mesma coisa, entra e sai por trás. Isso quando o motorista para. E que passasse, o problema não era dele, a empresa que desse seu jeito. Tu disseste que andas de metrô em São Paulo, como é lá?

– Quem é velho, tira um passe, válido por seis meses na estação Deodoro. Quem não quer tirar, basta apresentar a carteira de identidade para o funcionário que toma conta da catraca e passa sem pagar.

– Viu? Eu não disse? Sem constrangimento. A tua modernidade bem que podia começar por ônibus novos, modernos e em quantidade suficiente e não essas latas de sardinhas atopetadas, já que ninguém observa o limite da lotação.

– E os empresários, como ficam? Eles têm que faturar, ter lucro, até para poder renovar a frota. É isso, ou aumentar o preço da passagem.

– Agora, sim, caiu a máscara. Tua preocupação é com meia dúzia de empresários, coitados, cartelizados a dividir o butim da desgraça da massa ignara. Transporte coletivo é concessão de serviço público.

Desta vez pegou pesado. Ainda não havia falado na massa ignara, seu bordão predileto. Acho bom arrefecer, se não ele vai achar que estou ganhando algum dos donos de ônibus, mas mesmo assim continuei.

– Marapanim, essas coisas não são tão simples assim. A prefeitura não pode fazer o que bem entende, tem a Câmara dos Vereadores…

– Para com isso, interrompeu-me. Quando foi que tu viste prefeito, vereador ou deputado andando de ônibus? Ou mesmo votar a favor do povo? Com essa vou-me embora. Carteira de idoso para velho provar que é velho. Só na tua cabeça e no bolso dos empresários. Ainda mais em ano de eleição.

Já estava escurecendo, enquanto o Marapanim decepcionado sumia na curva do caminho, tomei mais um gole de cachaça juntei meus sapatos com os dedos em gancho e ainda tive que ouvir o velho Maracajá, amuado, murmurar atrás de mim:

– Quem te viu e quem te vê.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

POLICIAIS: NOSSOS HERÓIS DE VERDADE

Hoje fui bem cedo tomar o café da manhã em uma padaria.
Quando já estava no fim do lanche, entrou no local um jovem policial militar e pediu um pastel e uma xícara de café com leite. Ele passou por mim, disse "bom dia" e sentou na mesa logo ao meu lado. Antes de ele chegar, eu estava perdido em pensamentos sobre minhas tarefas diárias. Mas depois que ele me cumprimentou, comecei a imaginar sobre a rotina desse rapaz.
Eu sairia da padaria para meu confortável e seguro escritório, e o jovem policial iria para as ruas. Colocaria sua vida em risco para proteger os cidadãos, em troca de uma remuneração indigna para sua nobre função. Talvez aquele pastel fosse sua última refeição. Talvez tivesse esposa, filhos, uma mãe que rezasse por ele. Que situações perigosas enfrentaria hoje? Estaria vivo ao final do dia? Não sei.
Enquanto fazia essas considerações, percebi porque fico tão chateado quando ouço certa ‘militância’ enxergando nos policiais apenas um “símbolo do Estado opressor”. Grande parte desses servidores é jovem, tem sonhos, ganha pouco e têm família para sustentar. Trabalham sempre sob risco e pressão. Um policial não deixa de ser policial quando tira a farda. Muitos morrem tentando evitar assaltos em horário de folga. E quantos ainda se deparam com marginais que já tinham prendido, mas graças ao nosso ultrapassado Código Penal estavam soltos novamente? Esses servidores também lutam contra o sistema.
Não vejo passeatas ou protestos quando um deles morre em serviço. No máximo o rodapé de um jornal, ou 15 segundos de notícia na TV. Por esses e outros motivos é que valorizo e admiro essa profissão. Reduzam os vencimentos dos políticos, diminuam o assistencialismo e remunerem melhor esses heróis anônimos. É vergonhoso como são tratados pelo mesmo Estado a que juram lealdade até a morte.
Terminei o café, e ao sair falei pro jovem policial: “até mais”. Ele acenou com a cabeça, já estava no fim do lanche e logo estaria na rua, dando a vida por nós. Tive vontade de dizer “boa sorte, que Deus te proteja”, mas fiquei sem jeito. Em meus pensamentos, porém, desejei sorte, luz e proteção para o rapaz. Ele precisará muito mais do que o Neymar, o ídolo e "herói" da rede Globo.
            (Autor desconhecido)

terça-feira, 29 de agosto de 2017

MANTENHA O CHAVEIRO DO CARRO AO LADO DA CAMA.

Sei que esta dica é mais coerente para quem mora em casa, mas mesmo assim, quem mora em apartamento sempre tem um amigo (a) que mora em casa e, por favor, replique a postagem de nosso blog FALANDO SÉRIO.

Conte à sua mulher, seu marido, seus filhos, seus vizinhos, seus pais, seu médico, à mocinha do caixa do supermercado, a todo mundo que vc encontrar. E ponha o chaveiro de seu carro ao lado de sua cama à noite.

Caso você ouça algum barulho no jardim ou no quintal ou ache que tem alguém tentando entrar na sua casa, basta apertar o botão do chaveiro que o alarme do carro dispara e a buzina vai continuar tocando até que vc o desligue ou que a carga da bateria se esgote.

Essa dica veio de um coordenador de  investigação da Polícia Civil de São Paulo.

A próxima vez em que você chegar em casa à noite e for guardar o chaveiro do carro, lembre-se disto: “você tem nas mãos um sistema de alarme de segurança que já está à sua disposição e não precisa de instalação”.

Teste-o. Ele vai disparar se você apertar o botão de fechar por alguns segundos, a partir de quase todos os lugares de sua casa e a buzina vai continuar tocando daquele jeito escandaloso até que a bateria do carro se esgote ou que você aperte o botão de reset do chaveiro.

O alarme funciona se você tiver estacionado o carro na rua, em frente à sua casa, na entrada para carros ou na garagem.

Se o alarme disparar no momento em que algum mal-intencionado estiver tentando invadir a sua casa, o mais provável é que o ladrão ou estuprador saia correndo e desapareça.
Dali a alguns segundos, todos os seus vizinhos estarão olhando pelas janelas pra ver quem está lá fora e isso é coisa que nenhum criminoso quer.

E não se esqueça de estar com o chaveiro na mão ao caminhar em direção a seu carro em um estacionamento. O alarme pode ter a mesma utilidade nesse lugar.
Essa dica é uma coisa que realmente deve ser repassada pra todo mundo que vc conhece. Estou enviando a todos que conheço porque a achei, realmente, fantástica!

Esse recurso também é útil para qualquer outra emergência, como um ataque cardíaco, quando você não consegue chegar até o telefone.

domingo, 27 de agosto de 2017

Belém nos anos 50/60 século XX: imagens incríveis

Todas as vidas importam


Fotomontagem
Clique na imagem e saiba as circunstâncias da morte de cada uma das 97 vítimas
Clique na fotomontagem e saiba as circunstâncias da morte de cada um dos 97 PMs

Oito em cada dez policiais mortos no Rio em 2017 estavam fora do serviço

'O policial está perdendo seus amigos, está se estressando e
tem os salários atrasados; com que motivação ele vai
trabalhar?', questiona Samira Bueno, diretora executiva
do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

A cada 10 policiais mortos no Rio de Janeiro este ano, oito estavam fora de serviço - incluindo os agentes reformados. A relação está dentro da m.édia brasileira (70%), segundo dados de 2015 do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Neste sábado, 26, foi assassinado o 100º policial no Rio em 2017.
Para a diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, o número mostra que a exposição do policial à violência está além dos riscos naturais do próprio serviço. 
"O policial no Brasil morre muito mais fora do serviço do que em serviço. Na maioria dos casos, o profissional de segurança está andando como um cidadão comum, vai ser assaltado e o criminoso percebe que ele é um policial, então mata. Matar um policial é algo valorizado dentro do crime", explica. 
Fonte: http://brasil.estadao.com.br/noticias/

Proprietário do "Capitão Ribeiro" deve ser indiciado pela morte de 23 pessoas

A Polícia Civil deve indiciar, na próxima segunda-feira (28), na combinação dos artigos 261 e 263 do Código Penal Brasileiro (CPB), Alcimar Almeida da Silva, 41, proprietário da Almeida & Ribeiro Ltda., empresa dona da embarcação “Capitão Ribeiro”, naufragada na noite do último dia 22, no rio Xingu, a cerca de 50 quilômetros da cidade de Porto de Moz, sudoeste do Estado do Pará.

O empresário deve ser responsabilizado pelas mortes de 23 pessoas de um total de 53, computados pela Defesa Civil do Estado. Todos estavam a bordo da embarcação, que segundo o depoimento de Alcimar, apresentava um peso total de sete toneladas. Um carro pequeno, duas motocicletas, além de vários itens alimentícios como frango e peixe, sobretudo, estavam entre as mercadorias. A embarcação saiu de Santarém no dia 21 e tinha como destino a cidade de Vitória do Xingu.

De acordo com o artigo 261, é crime “expor a perigo embarcação ou aeronave, própria ou alheia, ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação marítima, fluvial ou aérea”. A pena prevista é a reclusão, de dois a cinco anos. Combinado com o artigo 263, que versa “se de qualquer dos crimes previstos nos artigos 260 a 262, no caso de desastre ou sinistro, resulta lesão corporal ou morte, aplica-se o disposto no art. 258”. O artigo 258 prega que “a toda causa será atribuído um valor certo, ainda que não tenha conteúdo econômico imediato”.

Sobre o possível enquadramento do empresário no crime de homicídio com eventual dolo, o delegado disse que ainda está analisando todas as informações, seja dos depoimento de 19 testemunhas e da perícia da embarcação, que deve ser solicitada também no próximo dia 28. “Estamos analisando as informações para ver o melhor caminho que o inquérito irá levar”, disse o delegado Elcio de Deus.

Além de ser convocado a prestar novas informações referentes ao inquérito, o proprietário já está obrigado a posicionar a embarcação para ser submetida ao trabalho de perícia científica.

Irregularidades

Também com base no Termo de Declaração do dono da embarcação do Capitão Ribeiro, atestou-se duas irregularidades administrativas: a não autorização da Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon) para navegar; e, há três anos, extrapolar o limite de navegação entre Santarém e Prainha, sob a justificativa de economizar, inclusive em questões trabalhistas. Embora tivesse o despacho da Capitania dos Portos, a empresa descumpria o limite a ser deslocado. Ou seja, sempre transportava passageiros entre Santarém e Vitória do Xingu, mas tinha licença apenas para operar viagens entre Santarém e a cidade de Prainha.

Informações

Ainda referente às informações de Alcimar Almeida, cerca de 50 passageiros estariam embarcados, sendo 36 adultos, seis crianças e oito funcionários que formavam a tripulação. Um deles, o comandante do Capitão Ribeiro, Sebastião Soares Batista acabou perdendo a vida. Alcimar teria dito que 13 bilhetes foram vendidos em Porto de Moz – e contabilizando os que pagaram e os que não pagaram, o aproximado seria de 20 passageiros. Ele confessou que não tinha autorização para o transporte de veículos. 

Causas e mercadorias

Sobre as possíveis causas do naufrágio, ele alega que teria sido um “redemoinho” muito forte, uma “tromba d’água”. Afirmou ainda que a tripulação era formada por um comandante e dois auxiliares, existiam quatro botes. No porão, eram transportados 150 caixas de objetos diversos, 200 caixas de maçã, além de 30 sacos de limão.

As informações são da Agência Pará

sábado, 26 de agosto de 2017

Saiu o CALENDÁRIO DE PAGAMENTO do funcionalismo estadual. Confira:

CRONOGRAMA DE PAGAMENTO

AGOSTO/2017

Dia 28 (segunda-feira) - Inativos militares e pensionistas, inativos civis e pensões especiais/Sead.

Dia 29 (terça-feira) - Auditoria Geral, Casa Civil, Casa Militar, Defensoria Pública, Gabinete da Vice-governadoria, Procuradoria Geral, Seel, Sedeme, Sejudh, Sedop, Sespa, Seaster, Setran, Secom, Setur, NGTM, NEPMV, NGPR, NAC.

Dia 30 (quarta-feira) - Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Polícia Militar, Segup, Adepará, Arcon, Asipag, Codec, Ceasa, Cohab, CPC Renato Chaves, Detran, EGPA, Emater, FCG, FCP, Fasepa, Funtelpa, Fapespa, Hospital de Clínicas, Hospital Ophir Loyola, Hemopa, Imetropará, Iasep, Igeprev, IOE, Iterpa, Jucepa, Prodepa, Santa Casa, Susipe, Uepa, Ideflor-Bio, CPH e Fundação Pro Paz;

Dia 31 (quinta-feira) – Seduc. 

 

Sobe para 28 o número de sobreviventes do naufrágio em Porto de Moz

Subiu para 28 o número de sobreviventes do naufrágio da embarcação Capitão Ribeiro no rio Xingu, ocorrido na noite da última terça-feira (22). A informação foi divulgada na tarde desta sexta-feira (25) pela Sala de Situação montada em Porto de Moz. Israel da Silva Sousa, dado como desparecido, foi encontrado com vida e, até agora, apenas uma pessoa continua desaparecida.
Segundo a Sala de Situação, Israel da Silva Sousa foi resgatado por moradores de uma comunidade ribeirinha e levado para vitória do Xingu. Lá, ele recebeu atendimento e, por conta própria, seguiu para Santarém. Uma equipe da Defesa Civil foi até o local e confirmou que ele estava vivo.
Segundo as autoridades, até agora, apenas Fransico Paiva é dado como desaparecido do naufrágio e as buscas continuam. Além de mergulhadores, equipes fazem buscas visuais. Estão sendo usadas embarcações e um helicóptero pequeno.
Hoje a tarde estão sendo velados, na casa de familiares, os corpos das duas crianças encontradas. Os dois irmãos eram de Porto de Moz.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Navio com 70 a bordo naufraga no Pará


Uma embarcação naufragou na noite de terça-feira (22) em uma área denominada de Ponte Grande do Xingu, entre as cidades de Porto de Moz e Senador José Porfírio, no sudoeste do Pará. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), já foram encontrados sete corpos de vítimas do naufrágio. Entre as vítimas estão um adolescente e uma criança de um ano.
O navio "Comandante Ribeiro" saiu do município de Santarém, oeste do estado, com cerca de 70 pessoas a bordo. A embarcação tinha escala nos municípios de Monte Alegre, Prainha e destino final em Vitória do Xingu.
As primeiras informações disponibilizadas pela Defesa Civil eram de que o acidente com a embarcação tinha ocorrido durante a madrugada desta quarta-feira (23), mas depois a Segup confirmou que o naufrágio aconteceu ainda durante a noite. Até as 10h, apenas 25 vítimas do naufrágio tinham chegado à margem do rio com vida.
Ainda de acordo com a Segup, trabalham no resgate das vítimas do naufrágio as Defesas Civis Municipais de Belém, Senador José Porfírio e Vitória do Xingu. A Polícia Civil já investiga as causa do naufrágio.

Fonte: http://g1.globo.com


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Polícia Civil realiza aula inaugural para 500 alunos do Curso de Formação de Policiais Civis

Hoje, passar em um concurso público é meta de centenas de pessoas, principalmente jovens, que buscam estabilidade financeira e crescimento profissional. Mas alguns vêem nisso a possibilidade de unir a consolidação de uma carreira à realização pessoal.

É o caso de 500 homens e mulheres que buscaram no concurso da Polícia Civil do Pará a concretização desse desejo e participaram, na manhã desta segunda-feira (21), da aula inaugural do Curso de Formação de Policiais Civis, da Academia de Polícia Civil do Pará (Acadepol), realizada no Hangar-Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém.
concurso C-203 da Polícia Civil, destinado ao preenchimento de 650 vagas – sendo 300 para investigadores, 180 para escrivães, 20 para papiloscopistas e 150 para delegados – foi aberto em 2016 e constou de várias etapas antes de chegar à fase final, que é a realização do Curso de Formação de novos policiais civis, iniciado hoje e que terá duração de quatro meses.

Antes dele, os aprovados passaram por provas de múltipla escolha, capacitação física, exames médicos e exame psicológico.

O manauara Rafael Domingos, de 27 anos, um dos aprovados no concurso, fala com felicidade da aprovação.

“Eu sempre quis seguir a carreira policial e a Civil era mais a ‘minha cara’. Gosto de estar em campo, nas operações e sei que tenho esse perfil”, salienta. O candidato detalha ainda que escolheu o Pará por ser próximo do meu Estado e, além disso, é um Estado enorme e com cidades de grande porte espalhadas pelo interior, dispondo de boa estrutura, bem melhores que as do interior do Amazonas. “Quando recebi a notícia que tinha passado, não hesitei em momento algum: pedi demissão do meu emprego, guardei dinheiro para os custos do concurso e agora estou aqui”, contou.

Natural de Belém, o advogado Charles Vinícius disse que atuar na Polícia Civil é a realização de um sonho. “Sempre gostei muito da área penal e quando abriu esse concurso vi logo a possibilidade de realizar essa minha vontade. Já conheço muitas cidades do interior e estou encarando minha nova função como um desafio. Tenho certeza de que farei a diferença”, disse ele, que também elogiou a remuneração ofertada. “Se considerarmos os outros cargos de investigador, escrivão e papiloscopista do restante do Brasil, o Pará é o que está pagando melhor e isso também foi um atrativo”, complementou o futuro escrivão.
Nauar, também de Belém, foi outra aprovada para a segunda etapa do curso para o cargo de escrivã. Ela conta que já vinha buscando concursos e colocações que a levassem para a área de Segurança Pública. “Sou uma amante da área penal. Tenho muita paixão e facilidade para atuar nesse sentido. Quando o concurso foi aberto, procurei pesquisar ainda mais sobre o cargo de escrivã e me identifiquei. Posso dizer que estou muito feliz de ter passado e fazer parte dessa turma”.

Estiveram presentes à aula inaugural o general Jeannot Jansen, secretário de Segurança Pública do Pará – que representou o governador Simão Jatene na ocasião -, o delegado-geral da Polícia Civil do Pará, Rilmar Firmino; a delegada geral adjunta da Polícia Civil, Christiane Ferreira; a diretora da Acadepol, delegada Marlise Tourão; a secretária de Estado de Administração, Alice Viana, e demais autoridades da área de Segurança Pública do Estado.
Jeannot Jansen enfatizou a importância da realização do concurso. “Ganhamos um grande reforço em nosso efetivo, mas o que queremos de fato é melhorar a qualidade do atendimento à população, aprimorando e aperfeiçoando a formação dos policiais. Por isso, estamos investindo em uma formação completa, onde as ações de combate à criminalidade estejam no mesmo patamar da prevenção social. Em outros momentos, o que víamos era que ora se investia mais em uma e ora se priorizava mais a outra, deixando sempre um lado desequilibrado. Agora vamos trabalhar para que essas duas frentes de atuação andem juntas”, ressaltou.

Entre as disciplinas que serão ministradas, algumas vão além das já existentes na matriz curricular nacional do Curso de Formação de Policiais Civis. “Esse será um curso pioneiro no Brasil, pois existem disciplinas que foram acrescidas à grade, como Oratória e Investigação Financeira no Enfrentamento ao Crime de Lavagem de Dinheiro, essa exclusiva no Brasil. Por isso, esses novos policiais terão a oportunidade de ter uma qualificação ainda melhor. Nós, da Polícia Civil, estamos trabalhando diuturnamente para preparar nossos servidores da melhor maneira, para que, em resposta, eles possam oferecer o melhor atendimento à população”, complementou Marlise Tourão, diretora da Acadepol.
curso transcorrerá pelos próximos quatro meses, no período da manhã e da tarde, com aulas no Instituto de Ensino de Segurança do Pará (Iesp), em Marituba. Ao todo, 650 policiais participarão da formação. Inicialmente serão 500, entre futuros escrivães, investigadores e papiloscopistas.

Em outubro a turma crescerá, com a entrada no curso de 150 futuros delegados e delegadas, cada um direcionado às disciplinas específicas de sua função, como direção veicular, atendimento à mídia, defesa pessoal, armamento tático e tiro. “O que nós queremos é que todos cumpram as regras e explorem ao máximo os instrutores, professores, palestrantes e monitores. Trouxemos o que há de melhor em Academia de Polícia e queremos o melhor de todos eles também”, finalizou a delegada Marlise Tourão.
delegado-geral Rilmar Firmino salienta que o ingresso dos novos policiais civis corresponde a um reforço de 25% do efetivo total de policiais civis no Estado.

Isso, ressalta o delegado-geral, terá reflexos na melhoria da investigação policial da Polícia Civil do Pará, que é referência nacional, e também na qualidade do atendimento ao público.

Fonte: Jornal O Impacto.

Moeda vira febre entre os policiais militares

Investimento em BitCoin está mudando a vida de policiais militares.
Investimento de baixo custo, retorno de 100% do valor aplicado e possibilidade de fazer rede, ganhando dinheiro por indicar amigos, torna o negócio atrativo e rentável, viralizando entre os policiais militares paraenses.
Clique no link para saber mais.

Minha gratidão pelas mensagens

                              RICARDO BALESTRERI
Dia 18 de agosto aniversariei  e recebi, por aqui, pelo Messenger e pelo Whatsapp, uma grande quantidade de mensagens carinhosas, estimuladoras, fraternas.
Li uma a uma, após registrar mentalmente o nome da autora ou do autor. Li com afeto, com gratidão, amorosamente...
Respondi muitas do Zap e do Messenger.
Todo dia me esforço para crer que a famosa "Lei de Murphy" é só um mito mas a verdade é que, no meio disso, o meu antigo Zap "deu pau", quase ao mesmo tempo em que um bloco de umas 80 mensagens, mais ou menos, do Messenger, devem ter ido passear em outra dimensão...
O Zap não vou  consegui resgatar, por um problema de número com a Tim. Soube que aquele número já está com outro usuário...As mensagens do Messenger,  só Deus sabe onde estão...As que vieram por aqui pelo Facebook também foram saborosamente curtidas, mas foi inviável responde-las individualmente, devido a quantidade...Procurei, de verdade, responder no coração, enquanto lia...
Na vida, não tive quase nenhuma habilidade para juntar patrimônio, sempre fui um cara relativamente ferrado, apesar das tantas funções vistas como glamurosas e de alta visibilidade, que exerci e continuo exercendo... Também nunca tive uma saúde de ferro, o que não me impediu e nem me impede, graças a Deus, de trabalhar feito um trator...Mas há um tesouro que...Ah...Esse o Espírito Santo me deu em profusão: boas amigas e bons amigos...Muitos!...Alguns, jóias raríssimas e preciosas...Sempre que penso que gostaria de ter tido e de ter uma vida economicamente mais segura ou de possuir uma dessas saúdes inabaláveis, me compenso bastante lembrando da quantidade de amigos interessantes, criativos, humanos e até angelicais (claro que, esses, em menor número...), que o nosso boníssimo Deus me alcançou...
Muitos deles passaram por aqui,  pelo Whatsapp e pelo Messenger,  no dia 18 de agosto, para deixar o seu ar cheio de graça...
A todos, aos que pude responder e aos que perdi nas redes (mas não na vida), o meu mais sincero, profundo e amoroso agradecimento... 

(Do Facebook do autor).

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Qualquer extremismo é sempre autoritário

 *Ricardo Balestreri
Qualquer extremismo, de direita ou de esquerda, é sempre autoritário, opressor e destrutivo da diversidade da vida.
Um risco enorme para um país em crise moral, intelectual, econômica e social, é o surgimento de messianismos pessoais ou grupais totalitários. Pessoas frágeis, cansadas e decepcionadas, tendem a se jogar em qualquer promessa demagógica absolutizante. A Alemanha nazista, por exemplo, foi um produto do pós-caos de uma população humilhada e desesperada, que trocou a sensação de estar sem saída pela falsa saída da prepotência e da horrenda submissão dos mais fracos...
No presente mundo em frangalhos, os vermes nazistas voltam a se multiplicar e a ameaçar qualquer possibilidade de democracia, de misericórdia e de compaixão, prometendo o que sempre prometeram: a falsa segurança das trevas, a eliminação de todas as dissensões, o domínio estável do mal...
 *Ricardo Balestreri é secretário de Segurança Pública de Goiás. Possui um Canal no Youtube, denominado  CAFÉ COM BALESTRERI. (CLIQUE)

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Lei cria o DIA DO AÇAÍ

O alimento mais consumido pelos paraenses ganha um dia dedicado a ele, dia 5 de setembro. O Dia Estadual do Açaí foi determinado através da Lei nº 8.519 e coincide com a comemoração do Dia da Amazônia. Com o decreto, a celebração é inserida no calendário de eventos do Estado.

O fruto contém substâncias que oferecem ação antioxidante, protegendo as células sadias do organismo.

A Associação de Batedores de Açaí de Belém estima que existam cerca de dez mil pontos de venda de açaí na região metropolitana.

Inspiradíssima Martha Medeiros num texto perfeito!

"Só quem atravessa ao menos cinco décadas de vida pode entender a bênção que é entrar na segunda juventude.
Claro que antes é preciso passar pelo purgatório.
Poucos chegam aos 50 anos sem fazer uma profunda reflexão sobre a finitude, e dá um frio na barriga, claro. Amedronta principalmente quem ainda não fez nem metade do que gostaria de já ter feito a essa altura. Será que vai dar tempo?
Passado o susto, a resposta: vai.
E se não der, não tem problema. Você não precisa morrer colecionando vontades não realizadas. Troque de vontades e siga em frente sem ruminar arrependimentos. Você finalmente atingiu o apogeu da sua juventude: é livre como nunca foi antes.
Então, não passe mais nem um dia ao lado de alguém que lhe esnoba, lhe provoca, que não se importa com seus sentimentos. Pare de inventar razões para manter seus infortúnios, você já fez sacrifícios suficientes, agora se permita um caminho mais fácil.
Se ainda dá trela a fantasmas, se ainda pensa em vingancinhas ordinárias, se ainda não perdoou seus pais e seu passado, se ainda perde tempo com vaidades e ambições desmedidas, se ainda está preocupado com o que os outros pensam sobre você, está pedindo: logo, logo virará um caco.
Para alcançar e merecer a segunda juventude, é preciso se desapegar de todas aquelas preocupações que havia na primeira. Quando essa Juventude Parte 2 terminar, não virá a Juventude Parte 3, mas o fim.
Ou seja, esta é a última e deliciosa oportunidade de abandonar os rancores, não perder mais tempo com besteiras e dar adeus à arrogância, à petulância, à agressividade, ou seja, adeus às armas, aquelas que você usava para se defender contra inimigos imaginários.
Agora ninguém mais lhe ataca, só o tempo – em vez de brigar contra ele, alie-se a ele, tome o tempo todo para si.
Eu sei que você teve problemas, e talvez ainda tenha – muitos. Eu também tive, talvez não tão graves, depende da perspectiva que se olha.
Mas isso não pode nos impedir a graça de sermos joviais como nunca fomos antes. Lembra quando você dizia que só gostaria de voltar à adolescência se pudesse ter a cabeça que tem hoje? Praticamente está acontecendo.
Essa é a diferença que tem que ser comemorada. Na primeira juventude, tudo vai acontecer. Na segunda, está acontecendo."

Martha Medeiros

Pato ou Águia: Você decide.

Eu estava no aeroporto quando um taxista se aproximou. A primeira coisa que notei foi um táxi limpo e brilhante.
O motorista bem vestido, camisa branca e calças bem passadas, com gravata.
O taxista saiu, me abriu a porta e disse:
"Eu sou João, seu chofer. Enquanto guardo sua bagagem, gostaria que o senhor lesse neste cartão qual é a minha missão.
" No cartão estava escrito: < Missão de João  - Levar meus clientes a seu destino de forma rápida, segura e econômica, oferecendo um ambiente amigável> Fiquei impressionado.
O interior do táxi estava igualmente limpo.
João  me perguntou:
"O sr. aceita um café?" Brincando com ele eu disse: "Não, eu prefiro um suco". Imediatamente ele respondeu:
"sem problema.
Eu tenho uma térmica com suco normal e também diet, bem como água" também me disse:
"Se desejar ler,  tenho o jornal de hoje e também algumas revistas."
Ao começar a corrida João  me disse:
"Essas são as estações de rádio que tenho e esse é o repertórios que elas tocam." Como se já não fosse muito, o João ainda me perguntou se a temperatura do ar condicionado estava boa.
Daí me avisou qual era a melhor rota para meu destino e se eu queria conversar com ele ou se preferia que eu não fosse interrompido. Eu perguntei:
"Você sempre atende seus clientes assim?" "Não", ele respondeu.
"Não sempre. Somente nos últimos dois anos. Meus primeiros anos como taxista passei a maior parte do tempo me queixando igual aos demais taxistas.
Um dia ouvi um doutor especialista em desenvolvimento pessoal. Ele escreveu um livro chamado <Quem você é faz a diferença.> Ele dizia: <Se você levanta pela manhã esperando ter um péssimo dia, certamente o terá.
Não seja um pato.
Seja uma águia!
Os patos só fazem barulho e se queixam, as águias se elevam acima do grupo>  Eu estava todo o tempo fazendo barulho e me queixando.
Então decidi mudar minhas atitudes e ser uma águia. Olhei os outros táxis e motoristas... Os táxis sujos, os motoristas pouco amigáveis e os clientes insatisfeitos.
Decidi fazer umas mudanças. Quando meus clientes responderam bem, fiz mais algumas mudanças.
No meu primeiro ano como águia dupliquei meu faturamento. Este ano já quadrupliquei.
O sr. teve sorte de tomar meu táxi hoje. Já não estou mais na parada de táxis. Meus clientes fazem reserva pelo meu celular ou mandam mensagem. Se não posso atender, consigo um amigo taxista "águia" confiável para fazer o serviço."
João era diferente . Oferecia um serviço de limusine em um táxi normal. João  o taxista decidiu deixar de fazer ruído e queixar-se como fazem os patos e passou a voar por sobre o grupo, como fazem as águias.
Não importa se você trabalha em um escritório, com manutenção, professor, servidor público, político, executivo, empregado ou profissional liberal ou taxista!
Se vc é cristão, se sua igreja tem o melhor ou pior louvor, a melhor ou pior mensagem pregada, isso depende de vc e de como estará seu coração pra receber, a decisão de parar de murmurar é sua. Faça vc a diferença.
Como você se comporta? Se dedica a fazer barulho e se queixar? Ou está se elevando acima dos demais?
Lembre: A DECISÃO É SUA
Essa chave só abre pelo lado de dentro!
E CADA VEZ VOCÊ TEM MENOS TEMPO PARA MUDAR!

Belém e Mosqueiro nos anos 1950 e 1960. Vídeo incrível.

Blitz vai flagrar quem usa maconha e cocaína

Veja o que funciona em Belém no feriado de Adesão do Pará

No feriado de Adesão do Pará, os paraenses que não forem viajar devem ficar atentos ao que vai funcionar na cidade durante esta terça-feira (15). Veja abaixo o que estará aberto neste feriado na capital paraense. 
 
Bancos e casas lotéricas
As agências bancárias estarão fechadas nesta terça-feira (15), mas terão expediente normal a partir de quarta-feira (16). 

Supermercados
Fechados. 

Centro Comercial
Lojas fechadas no feriado e reabrirão na quarta-feira (16). 

Shoppings
Shopping Bosque Grão-Pará
Lojas: fechadas.
Praça de Alimentação: 12h às 22h.
Cinema de acordo com a programação.
Shopping Pátio Belém
Lojas: fechadas.
Praça de Alimentação: 12h às 22h.
Cinema de acordo com a programação.
Shopping Castanheira
Lojas e Supermercado: fechados.
Praça de Alimentação, Cinema e Parque de Diversões: 12h às 22h.
Academia: 9h às 15h.
Boulevard Shopping
Lojas: fechadas.
Praça de Alimentação: 11h às 22h.
Restaurantes: 11h às 24h.
Cinema de acordo com a programação.
Parque Shopping
Lojas: fechadas.
Praça de Alimentação: 11h às 22h.
Cinema de acordo com a programação.
 
Lazer
Museu Paraense Emilio Goeldi
Aberto de 9h às 17h.
Bosque Rodrigues Alves
Funcionará das 8 às 14h no feriado, com a venda de ingressos sendo realizada até às 13h.
Estação das Docas
Funcionará de 10h às 22h.
Mangal das Garças
Funcionará normalmente das 9h às 18h. A entrada no Parque é gratuita, e, para visitar os espaços monitorados, é necessário adquirir passaporte por R$ 5,00 para cada um deles ou passaporte para todos que são vendidos por R$ 15,00. Às 9h, momento de alimentação de peixes e tartarugas no recanto da curva; 10h às 16h, momento de soltura das borboletas no borboletário; 11h, 15h e 17h30, momento de alimentação das garças no recanto da curva.
 
Hemopa
O Hemopa informou que em função do feriado na terça-feira (15), não haverá coleta de sangue. Isso vale para toda a hemorrede estadual, que é compreendida pelo Hemocentro Coordenador e Unidade de Coleta Castanheira em Belém, pelos Hemocentros Regionais de Castanhal, Santarém e Marabá, e pelos Hemonúcleos de Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema. No entanto, o atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar permanecerá ininterrupto. 

Fonte: http://g1.globo.com/pa