sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Consumo

Governador anuncia Ricardo Balestreri como novo secretário de Segurança Pública

O governador Marconi Perillo anunciou, na noite desta quarta-feira, dia 22, que o professor Ricardo Balestreri é o novo secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Estado de Goiás.
“Trata-se de profissional altamente qualificado e respeitado em todo o País”, escreveu o governador em seus perfis nas redes sociais.
Balestreri foi secretário nacional de Segurança Pública e tem longa carreira dedicada à formação e qualificação dos profissionais da segurança. É reconhecido por defender de forma veemente a valorização dos policiais.
Confira o post do governador:
“O professor e historiador Ricardo Balestreri é o novo secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) do Estado de Goiás. Trata-se de profissional altamente qualificado e respeitado em todo o País. Balestreri é especialista na área, foi secretário nacional de Segurança Pública e modernizou a Força Nacional. Ele também criou a Rede Nacional de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp), que ao longo dos anos qualificou dezenas de milhares de policiais.
Ricardo Balestreri chega a Goiânia nesta quinta-feira e farei sua apresentação em coletiva de imprensa, na sexta-feira. A posse está marcada para 1º de março. #segurança #novosecretário

domingo, 19 de fevereiro de 2017

'Somos um país que está à deriva' , diz general.

Amazonas, Roraima, Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Desde as primeiras horas de 2017, o país passa por uma das mais graves crises na segurança pública nos últimos anos. Do desgoverno no sistema prisional, onde detentos em Manaus, Boa Vista e Natal foram trucidados em brigas de facções, ao caos em Vitória, que resultou da paralisação da Polícia Militar, passando pela crescente instabilidade no Rio, a situação está tão crítica que homens das Forças Armadas têm sido necessários para manter o controle.
"Esgarçamo-nos tanto, nivelamos tanto por baixo os parâmetros do ponto de vista ético e moral, que somos um país sem um mínimo de disciplina social", afirma o comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas. "Somos um país que está à deriva, que não sabe o que pretende ser, o que quer ser e o que deve ser."

Segurança pública
 Há entendimentos incorretos de que as Forças Armadas possam substituir a polícia. Temos características distintas. Fomos empregados na favela da Maré com efetivo de quase 3 mil homens por 14 meses. No Alemão, 18 meses. É um emprego das Forças Armadas que não soluciona o problema. Nossa ação se destina a criar  condições para que outros setores do governo adotem medidas de caráter econômico-social que alterem essa realidade.


Fonte: http://www.valor.com.br/

Ler a entrevista íntegra: Clique aqui

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Veja o salário inicial dos policiais militares no Brasil

Crianças viajarão pelas histórias do centenário Theatro da Paz


Uma viagem no tempo através da contação da história para crianças. Esse é o primeiro passo do projeto-piloto que será realizado na próxima quarta-feira (15), data em que o Theatro da Paz completa 139 anos de fundação. A ideia foi concebida no ano passado, mas com um diferencial – um personagem receberá crianças da rede pública de ensino para contar a história da casa de espetáculos, além de curiosidades.
Na manhã de quarta-feira, 100 crianças atendidas pela Fundação Pro Paz visitarão várias dependências do prédio, começando pelo hall, com paradas na varanda, foyer, palco e camarins.
“Esse novo projeto pretende conquistar um público que a partir desse encontro conhecerá não apenas a história, de uma forma lúdica, mas se envolverá e aprenderá a importância do Theatro da Paz como referência cultural da cidade, do estado e deles”, disse a diretora do TP, Ana Cláudia Moraes.


Crianças viajarão pelas histórias do centenário Theatro da Paz


Uma viagem no tempo através da contação da história para crianças. Esse é o primeiro passo do projeto-piloto que será realizado na próxima quarta-feira (15), data em que o Theatro da Paz completa 139 anos de fundação. A ideia foi concebida no ano passado, mas com um diferencial – um personagem receberá crianças da rede pública de ensino para contar a história da casa de espetáculos, além de curiosidades.
Na manhã de quarta-feira, 100 crianças atendidas pela Fundação Pro Paz visitarão várias dependências do prédio, começando pelo hall, com paradas na varanda, foyer, palco e camarins.
“Esse novo projeto pretende conquistar um público que a partir desse encontro conhecerá não apenas a história, de uma forma lúdica, mas se envolverá e aprenderá a importância do Theatro da Paz como referência cultural da cidade, do estado e deles”, disse a diretora do TP, Ana Cláudia Moraes.

Hospitais voltam a atender pelo Iasep

O Hospital Santo Agostinho, de Altamira, voltou a atender, hoje, os segurados do Instituto de Assistência dos Servidores do Estado. Em Itaituba, o Hospital Santo Antônio volta amanhã. E na semana que vem o Hospital Divina Providência deve retomar o atendimento via Iasep. Outros credenciados estão informando retomada e ampliação de serviços, principalmente no interior. Em Bragança, o Hospital Santo Antônio Maria Zacharias renovou o contrato com o plano dos servidores e garante a normalidade dos atendimentos. Em Redenção, os hospitais São Vicente e São Lucas também estão normalizados. Em Tucuruí, o Hospital Santa Angélica e a clínica CDA estão reformulando o retorno das especialidades que irão atender pelo plano e a Clínica Benstar resolveu ampliar a oferta de serviços, com especialidade em clínica geral. Em Marabá, a clínica ISA solicitou autorização para oferecer ginecologia, cardiologia e exames de laboratório. Em Monte Alegre, o laboratório Martins passa por reforma, mas em março atenderá os servidores públicos e dependentes no plano. Em Santarém, o Hospital João XXIII vai reunir com a direção do Iasep a fim de apresentar propostas para retomar os atendimentos. 

A presidente do Iasep, Íris Gama, também está buscando melhorias imediatas para os segurados de Marabá, Cametá, Parauapebas, Abaetetuba, Paragominas e outros municípios. O Iasep assumiu o compromisso de pagar os prestadores de servi e de quitar totalmente as dívidas, a partir de planilha a ser divulgada pelo Sistema Integrado de Governança (Sigov). 

No site www.iasep.pa.gov.br, o segurado pode verificar as recentes modificações no guia médico, o extrato de cotas anuais de consultas e exames e conhecer as regras do plano, o rol de cobertura e outros serviços.

Fonte: http://uruatapera.blogspot.com.br/

Confira o CALENDÁRIO DE PAGAMENTO do funcionalismo

A Secretaria de Estado de Administração (SEAD) informa que em função do feriado bancário do dia 27.02.2017, tornou-se necessário ajustar o cronograma de pagamentos do mês de fevereiro dos funcionários públicos estaduais, da administração direta e indireta.

O cronograma iniciará no dia 22 com os Inativos civis e militares, pensionistas civis e militares e pensionistas especiais da Sead e finalizará no dia 24 com os servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) da capital e do interior.

Confira o calendário de pagamento de fevereiro de 2017:

Dia 22/02 - (quarta-feira) - Inativos civis e militares, pensionistas civis e militares e pensionistas especiais da Sead

Dia 23/02 (quinta-feira) - Auditoria Geral, Casa Civil, Casa Militar, Defensoria Pública, Gabinete da Vice-governadoria, Procuradoria Geral, Sedap, Sectet, Sead, Sefa, Seplan, Semas, Secult, Seel, Sedeme, Sejudh, Sedop, Sespa, Seaster, Setran, Secom e Setur, NGTM, NEPMV, NGPR, NAC, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Polícia Militar, Segup, Adepará, Arcon, Asipag, Codec, Ceasa, Cohab, CPC Renato Chaves, Detran, EGPA, Emater, FCG, FCP, Fasepa, Funtelpa, Fapespa, Hospital de Clínicas, Hospital Ophir Loyola, Hemopa, Imetropará, Iasep, Igeprev, Imprensa Oficial do Estado, Iterpa, Jucepa, Prodepa, Santa Casa de Misericórdia, Susipe, Uepa, Ideflor-Bio, CPH e Fundação ProPaz.

Dia 24/02 - (sexta-feira) - Seduc (capital e interiormente

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Precisamos da polícia na rua para sermos honestos

Na greve da PM, no Espírito Santo, cidadãos comuns foram vistos realizando saques em lojas e supermercados.
A ausência da polícia revela uma realidade assustadora: o caos ético e moral que se encontra o nosso país. Quando a polícia se torna a regra de conduta das pessoas, o instrumento de controle que as impede de cometer crimes percebe-se a falta de consciência ética e moral.
Retirada a polícia, vem a tona o desejo latente de um povo corrupto. Idiotice pensar que só políticos são desonestos, tendo oportunidade, muitos se tornam criminosos. A conclusão é a seguinte: Se precisamos de polícia para sermos honestos, somos uma sociedade de bandidos soltos!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

sábado, 4 de fevereiro de 2017

"Nossas autoridades parecem donzelas assustadas com o vento", diz coronel da PM

Nossas autoridades parecem donzelas assustadas com o vento. Não sabiam o que acontecia nos porões dos governos? Em 2012, no governo da saudosa Dilma, ocorreram 121 rebeliões, 20.310 fugas e 769 presos mortos. Não sabiam? E os mais de 500 presos mortos em 2015, sabiam? Vão mandar as forças armadas para consertar o passado do qual nem se lembram? E parem de assustar a platéia brasileira com os temores nascidos da assombração de bandidos descalços e de bermuda. Esse é o crime organizado que temem?
E agora o mantra da vez: "prendemos muito e prendemos mal". E vamos soltar todos que pudermos para dar folga aos presos sufocados. E deixar a platéia brasileira sufocada com mais bandidos nas ruas. Claro que deviam criar vagas, mas vamos lembrar que bandidos soltos custam muito mais que os presos.
Escrevi um artigo em maio de 2015 sobre esse assunto:
PRENDER É CONTROLAR O CRIME
José Vicente da Silva Filho
Recentemente uma socióloga mencionou na imprensa que o estado de São Paulo pratica “uma política de encarceramento em massa” o que fortaleceria o controle das prisões pelo PCC que, segundo ela, teria ainda “ampla hegemonia em prisões e bairros periféricos das cidades paulistas”. São teses alucinantes.
O que seria essa política de encarceramento em massa? Esse clichê sem explicações sugere algo como as prisões de judeus nos campos de extermínio nazistas. De fato, em 2015 a polícia paulista prendeu 217.333 delinquentes, sendo 25.503 menores de 18 anos. Não foram meros suspeitos: cerca de 70% dessas prisões ocorreram quando os bandidos estavam cometendo crimes e o restante eram bandidos condenados pela justiça que foram abordados no policiamento. Onde entra a política de encarceramento em massa? O policial pode se omitir ao constatar alguém cometendo crime? O juiz pode deixar de condenar um criminoso pela prática comprovada de crime? E os criminosos não devem ir para os presídios se a pena determina essa punição? A ideia de que o PCC domina as periferias das cidades do estado é só mais uma ilação que os serviços de inteligência desacreditam por constatar grandes áreas do estado sem atividade da facção. Todo agrupamento criminoso merece cuidadoso monitoramento, mas não se pode fantasiar um poder sobre o crime organizado e desorganizado que o PCC não tem. Será que os estimados um milhão de criminosos à solta seriam dominados pelos três mil (0,3%) filiados à facção?
São Paulo tem índices crescentemente baixos de violência justamente porque prende mais. O índice de homicídios em São Paulo chegou a menos de 9 casos por cem mil habitantes -  um terço da taxa nacional - justamente porque tem quase o dobro da eficiência nacional em prender criminosos que agridem a sociedade.
Ainda persiste o raciocínio ingênuo de que se a polícia prevenir bem não precisará prender e que bons programas sociais seriam mais eficientes que as ações policiais. Ora, a função da polícia não é fazer prevenção bancando o espantalho de bandidos nas esquinas, mas intimidá-los, reduzindo inteligentemente seu espaço de atuação e prendendo ao surpreendê-los na prática criminosa ou por decorrência de investigação.
Na multidão de criminosos pelas ruas muitos são psicopatas incuráveis que ameaçam a sociedade e para eles não há programa social que resolva. São Paulo provou que os remédios mais urgentes para reduzir a violência são o policiamento inteligente que coloca policiais em áreas de maior incidência e a ampliação da capacidade de resposta da polícia e da justiça. Os criminosos reincidentes e violentos precisam de incapacitação por penas longas e regimes severos, enquanto os praticantes eventuais e iniciantes precisam de resposta rápida e mais branda. Nenhum crime deve ficar sem punição, do assaltante de esquina ao funcionário público corrupto. O governo lulopetista fez muito discurso social em favor dos pobres e dos direitos humanos, mas quase nada fez para mitigar o sofrimento nas masmorras medievais onde se espremem mais de 600 mil presos para pouco mais de 300 mil vagas. Prender também é solução, mas é preciso investir nas vagas que servem para contenção dos criminosos em nossas cidades e esse investimento não vem sendo feito.
Os presos custam caro à sociedade – cerca de três a quatro mil por mês cada preso -, mas poucos mencionam o custo da violência para o país: 256 bilhões de reais ao ano, segundo cálculos do IPEA. Custear preso é o preço a pagar para não tê-los em nossas ruas. Não há no planeta violência mais boçal do que a brasileira. Nos cinco anos do governo Dilma foram assassinados quase 300 mil brasileiros, metade deles jovens e pobres. Outros 250 mil foram esmagados na impunidade do trânsito. Essa foi a pior indecência do governo recentemente defenestrado: reduzir a pobreza pela redução da vida dos pobres.
José Vicente da Silva Filho é coronel da reserva da Polícia Militar de
São Paulo, mestre em psicologia social pela USP, ex-secretário nacional de segurança pública.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Marcos Rolim: 'Os presídios viraram empresas que agenciam os interesses das facções'


Em entrevista exclusiva à Blasting News Brasil, o sociólogo e jornalista Marcos Rolim dá seu ponto de vista sobre a crise penitenciária no Brasil.
O ano mal tinha virado quando, de Manaus, vinham os primeiros alertas da nova #Crise penitenciária que se hospedaria por todo o país nos dias seguintes. Dentro do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), 56 internos foram brutalmente assassinados logo no primeiro dia do ano, em um massacre sem precedentes na história do estado do Amazonas. Estava iniciada, nos corredores da maior #Prisão de Manaus, a onda de violência e caos pelos presídios brasileiros.  (Leia mais)




quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Prefeitura lança operação para reduzir assaltos em ônibus da capital

Os usuários do transporte público de Belo Horizonte frequentarão o ônibus com duplas ou trios de guardas municipais. Os agentes estarão nos veículos com o objetivo de prevenir e reduzir os assaltos dentro dos coletivos da capital. A iniciativa integra a Operação Viagem Segura, mais um passo da Prefeitura de Belo Horizonte para colocar a Guarda Municipal no policiamento ostensivo, será lançada na próxima segunda-feira (16).
Segundo o comandante-geral da Guarda Municipal, Rodrigo Prates, a operação será contínua e os guardas irão atuar a partir das 19 horas em linhas diversas da cidade. “Será um empenho diário com característica de dinamismo, na qual o guarda municipal será orientado por informações estatísticas  sobre quais áreas atuar”, disse Prates.
Os dados utilizados apontarão as regiões, bairros e linhas que mais sofrem com assaltos nos pontos de ônibus e dentro dos coletivos. Desta forma, os agentes da guarda municipal estarão em ação constante em locais diversos da cidade, de acordo com o índice de criminalidade. “Podemos adiantar que não serão trechos de fiscalização continuamente fixos”, conta Prates. “Vai depender das leituras estatísticas”.
O comandante conta que inicialmente 80 agentes da guarda municipal serão deslocados para a atuação nos coletivos e pontos de ônibus, mas número poderá aumentar caso seja necessária uma maior atuação. Em caso de assaltos, o agente irá tomar as medidas da corporação para combater o crime. “A intenção é estar dentro do coletivo em policiamento junto com a população, para inibir novos assaltos”.

Viaturas da Guarda Municipal também atuarão realizando escoltas em regiões com alta concentração de assaltos. Além disso, o sistema de videomonitoramento do Centro de Operações da Prefeitura de Belo Horizonte (COP-BH) e as câmeras de circuito-fechado de TV serão utilizados para o acompanhamento das ações.
             
A operação Viagem Segura contará com a parceria das polícias Civil e Militar, a BHTrans e o Sindicato de Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SETRA-BH).